Escola de Samba Acadêmicos do Bairro Dom Expedito

Ainda no bairro, foi a vez de irmos a casa de Antônio Loureto de Sousa , 50 anos, mais conhecido como Marciano o presidente do GRES Acadêmicos do Dom Expedito. Ele nos conta como tudo começou há quatorze anos e que um dos objetivos é inserir a juventude e tirar da ociosidade das ruas. No primeiro ano de carnaval ele ficaram em último lugar mas logo no ano seguinte foi vice campeã do carnaval sobralense.Hoje são cinco títulos e três vice campeonatos.São oferecidos cursos de percussão pra os jovens do bairro, e até membros do carnaval do Rio de Janeiro como da Unidos da Tijuca vieram prestigiar.

Seu Marciano nos conta que recentemente sofreu o acidente que prejudicou a fala, mas isso foi quase que impercepitivel tal a beleza e a importância e paixão com que ele fala da escola para seu bairro.

BOI PAZ NO MUNDO

Fomos até o bairro do Junco, entrevistar os herdeiros do Boi Ideal do mestre Panteca. Seu Antonio Pedro do nascimento, diz que desde os 8 anos pula o reisado , e declara o amor que tem pela cultura popular. O Boi Paz no Mundo é semelhante aos festejos do boi de Parintins no Pará, contando a história da mulher que tinha o desejo de comer a língua do boi preferido do patrão do esposo, que atende o pedido e é contada todos os anos a partir do Dia de Reis até o fim de janeiro. “ É um momento de alegria , pra mim janeiro é mês de criança ”, diz e cantando emociona a quem viveu essa alegria nos tempos de criança,. São 58 pessoas, 20 galantes , 20 índios, entre mais vaqueiros , sanfoneiros, conta da grande quantidade de componentes para que o espetáculo saia bem feito,e que hoje tem o apoio da secretária de cultura.

Mercado de Sobral

No mercado municipal da cidade nós conversamos com Seu João, vendedor de plantas medicinais, que há 28 anos trabalha no local, ele nos mostra as mais variadas espécies de plantas usadas para chás, como eucalipto, capim-santo, casca de aroeira , entre outras tantas e além das garrafadas de mel caseiro que ele próprio fabrica. “ A gente reza, curar ninguém cura , só DEUS cura ”, explica sobre a fé que as pessoas colocam nessas ervas. Das dificuldades que enfrenta por trabalhar num local de espaço muito pequeno, ele diz que quando chove é ruim por que molhar tudo e o governo há tempos já promete uma grande reforma.

Em outra parte, a conversa é com Dona Francisca, 66 anos faz tapiocas, lanches, sopas, está há 25 anos no mercado, hoje não vende mais almoço por que ninguém procura mais. Ela lembra que antes da construção do mercado o projeto era para ser onde hoje é o Centro de Conversões, no campo dos Velhos, mas o povo não aceitou pois era longe do centro da cidade.

No mercado ainda tivemos conversas com Dona Jucimary e Dona Benedita que são artesãs , as feiteiras como são chamadas as mulheres que entrelaçam os fios fazem chapéu de palha.

E encerrando fizemos uma entrevista com o jovem Vagner de 22 anos, que continua o estabelecimento do rei do caldo como era conhecido seu Raimundo, por fazer um caldo muito famoso pra quem visita o mercado de Sobral, ele aprendeu a fazer e hoje toma conta dos negócios na ausência do antigo dono e na falta de interesse que os filhos deste têm em continuar com o legado do pai.

Violeiro: Um Menestrel na modernidade

Nosso segundo dia de entrevistas teve seu início na Praça de Cuba, centro de Sobral, onde se deu nossa conversa com o  violeiro Antônio Pontes. Com 61 anos de idade ele vive em Sobral há 40 anos e apresenta durante a semana o programa Viola de Repentes na Rádio Educadora .

Quem passava por ali, parava e dedicava um pouco de sua corrida manhã para ouvir as histórias e os versos que Seu Antônio recitava e dedilhava nas cordas da viola ,“ Todo dia eu cheiro ela… A viola é como uma criança, não pode cair…É a gente que conduz”. Segundo ele “ Todo repentista é poeta , mas nem todo poeta é repentista ” . Essa tradição popular que surgiu na Idade média e ganhou força no nosso Nordeste , é chamada repente por que as canções surgem de repente, do improviso diante de algum tema.

“ Os cancioneiros eram natos para o sertão, as serras, agora também estão também presentes na cidade ”, diz , e conta que existiam 40 cantadores quando ele chegou a Sobral , hoje são apenas cinco, mas acredita que essa profissão não irá acabar pois vem surgindo jovens violeiros de 15, 17 anos que continuaram essas tão bela batalhas poéticas.

Dona Osmarina e os rituais para a rainha Iemanjá

A margem direita do rio é um local da cidade que está se desenvolvendo. Lá, buscamos por Dona Osmarina, moradora do bairro Dom Expedito. Praticante da religião Umbanda,  nos recebe em sua casa e conta suas experiências desde a infância com o espiritismo e diz que respeita também a tradição católica.

Dona Osmarina é famosa na região pelos seus rituais em homenagem a Iemanjá, que antigamente, reunia muita gente.  Mas lamenta que a tradição tem se modificado muito e perdendo presenças.

Canoeiros e Lavadeiras do Rio Acaraú

Costume muito comum das pessoas que moram em torno do Rio Acaraú é ter de atravessar o rio por meio das canoas. Andando em sua margem, encontramos dois canoeiros, um experiente conhecido como Seu Coco – ele exerce a profissão há 40 anos – e Tiago Alves, que bem jovem, aprendeu com os profissionais mais velhos esse ofício quase em via de extinção devido a falta de interesse das novas gerações. Os filhos de Seu Coco estão empregados em firmas e não se interessaram em continuar o trabalho do pai.

Diariamente esses homens realizam essa travessia de uma margem a outra do rio  cobrando apenas algumas moedas por esse trabalho. Essa profissão milenar possibilita um contraste diante da urbanizada margem esquerda do rio. Para Tiago, o ganho com o saber da canoagem é uma ajuda muito grande,apesar de ele ter outra fonte de renda financeira.

Do outro lado do rio, estavam as lavadeiras. Muito tímidas, não permitiram que gravássemos o vídeo. Nos contentamos, portanto, com algumas fotos e uma boa conversa.

Rio Acaraú (Margem Esquerda)

“Tudo flui… Nenhum homem pode banhar-se no mesmo rio por duas vezes, porque nem o homem, nem a água do rio serão os mesmos” (Heráclito de Éfeso)

Essa frase me veio na memória quando eu estava transcrevendo as memórias , os depoimentos que ouvimos e os momentos que passamos nessa aventura através das vivências de gente comum de vida simples, com muita riqueza em história. E como uma mesma pessoa consegue captar elementos tão diferentes de seu meio seu cotidiano no decorrer da vida.

Como participante, para mim esse projeto teve seu maior sucesso principalmente porque os articuladores, professorese técnicos conseguiram demonstrar que nós também somos parte desse patrimônio com nossas lembranças e nossa percepção das mudanças que transformam o lugar num outro lugar.

A primeira entrevistada foi com um membro de nossa equipe, Renata da Silva Gomes, 24 anos, estudante de Saneamento Ambiental do Instituto Federal do Ceará ( IFCE). O local é a Margem Esquerda do Rio Acaraú , um espaço onde se realizam eventos, show, um lugar de muita importância para a jovem que na infância costumava vir com o pai e o irmão para brincar nas águas do rio. Ela lembra com saudade, das brincadeiras de pescar os peixes usando iscas de miolo de pão, mas depois devolver o peixe ao rio, e hoje, esse ambiente é ponto de encontro com os amigos, principalmente na Biblioteca Municipal Lustosa da Costa, próximo dali. E como estudante de saneamento ambiental, acredita que a situação atual de poluição no rio possa ser revertida. Quando perguntada o que o rio representa para ela define assim : “ Ele representa a minha história , onde estão partes da minha vida, e faz parte de quem sou hoje ’’.

(Texto de Natália Estevam, participante do PPT de Sobral)